“O Festival Conexões, com certeza, vai ser um marco para a instituição quanto a essa questão de músicas autorais, fazendo com que, no momento de tanta dor, de tanto desespero, que a gente vivenciou durante esse período de pandemia, a música é algo que sempre alimenta nossa alma, nosso espírito. Então, acredito que esse festival, com músicas autorais, será fundamental para o desenvolvimento da nossa comunidade, de ter essa possibilidade de, primeiro, ver os talentos dos(as) nossos(as) alunos(as) que, apesar de serem alunos(as) dos cursos técnicos, muitos cursos tecnológicos, alimentam o seu cotidiano com cultura, com lazer, com esporte, com outros conteúdos que, muitas vezes, são negligenciados pela sociedade como um todo. Então, a proposta do festival nasce, inclusive, bem interessante. Eu estava em casa tomando café e, de repente, escuto a música “Porto Solidão”, de Jessé, que participou do festival da música popular brasileira, na década de 1980. E aí me veio a ideia: – “rapaz, por que que a gente não pensa no festival de música do IFRN?”. E aí, em ato contínuo, liguei para o professor Valdier, para o professor João e coloquei a ideia. Eles abraçaram a ideia, a gente fez uma primeira reunião e apresentei mais ou menos qual era a minha ideia. Eu só coloquei a ideia, na verdade. As pessoas que desenvolveram, o grupo de professores(as) da área de música que desenvolveu essa perspectiva e eu acredito que vai ser um marco para nossa instituição. E, como disse anteriormente, num período de tanta dor, de tanto sofrimento, a gente se alimentar, a gente alimentar o nosso corpo, a nossa alma com música é sempre muito bem-vindo. Então, não tenho dúvidas que o festival já é um sucesso e vai ser um sucesso estrondoso quando a gente estiver na presencialidade, finalizando esse ciclo, que é com a grande final. Então, quero só parabenizar todos(as) os(as) professores e professoras envolvidos(as) nessa ação. Alguns ainda não tive a oportunidade de ver de forma presencial, mas quero felicitar a todos(as) e dizer que o festival já é um sucesso”.

Mensagem de José Arnóbio de Araújo Filho,
reitor do Instituto Federal do Rio Grande do Norte